Pular para conteúdo
24.1.19

Um pequeno milagre

No começo ele era uma pequena noz flutuando numa caverna submersa, quase como um girino, mas não era nem peixe nem anfíbio. Mesmo assim, ali já se cumpria o código de Darwin, um contrato entre o ser humano e a vida, um baile multimilenar onde teimamos em tentar vencer a entropia... mesmo assim, a minha vida já estava mudada, pelo resto de meus dias: isso era muito claro para mim.

Depois nos comunicamos com ele, basicamente, através de sinais de pele. Pequenos carinhos na superfície do lago onde ele vivia. De volta, chutes e cabeçadas, cada vez mais fortes, faziam uma barriga de gestante de primeira viagem tremular aqui e ali. Para uma mãe, para um pai, isso já era a coisa mais maravilhosa e bizarra do mundo. Dois seres coabitando um só corpo... parem para pensar: isso talvez já solucione uma parte considerável deste mistério.

Então, num belo dia, ele se colocou de cabeça para baixo, e podíamos ver cada um de seus pezinhos despontando no topo da barriga. Não sei quem o ensinou toda essa ginástica de nascimento, mas fato é que funcionou muito bem!

"Você já está no início do trabalho de parto, quer esperar e aguentar a dor, ou fazer um corte e tirar logo esse rapazinho daí?" - disse o médico parteiro. E ela me olhou, como se fosse eu quem pudesse sentir suas dores, como se fosse eu quem pudesse decidir. Mamães, deixa eu lhes dizer uma coisa: nós homens não fazemos vaga ideia do que é ter um ser humaninho dentro de nós. Não temos a menor noção de como é ter um desejo súbito de comer uma fruta rara ou um sorvete de sabor específico. E, acima de tudo: não concebemos a experiência (e a dor) de um parto. Nós somos tão somente observadores de um baile ancestral de genes e açúcares – podemos (e devemos) oferecer carinho, jamais a compreensão exata do que de fato se passa em vocês.

Ela escolheu tirar logo. Tudo o que eu pensava era na descomunal alternância na experiência de vida pela qual todos nós passamos. Não nascemos no parto; nascemos, quem sabe, quando nosso cérebro pequenino começa a receber informações sensoriais – e flutuamos em águas mornas por meses, por todos os dias de uma nova vida ainda aquática... sair dessa primeira caverna, literalmente de um minuto para o outro, deve ser algo absolutamente impactante. Acho que, se pudéssemos realmente nos lembrar deste dia, talvez não conseguíssemos registrar mais muita coisa no caminho místico, talvez não fosse mais necessário.

Quando o vi pela primeira vez, meio azulado, parecia um bebê krishna, um ser de alguma dimensão paralela. Por um momento, ainda em silêncio, ele abriu os olhos e inspirou o ar deste mundo de chumbo, então chorou: é o que fazem os anjos caídos. E todos nós aqui somos anjos assim, embora muitos tenham se esquecido com o tempo. Talvez seja por isso que não nos lembramos mais do parto, a saudade do céu seria dolorida demais...

Essa é a história de todos nós. Ao contemplar aquele pequeno milagre chegando a este mundo, subitamente me dei conta de que estava participando ativamente desta epopeia humana, da qual até então havia sido somente mero espectador indireto. Ali não, ali estava a Vida, na ânsia por si mesma, em todo o seu esplendor, em toda a sua ancestralidade e mistério, em toda a sua potencialidade de luz e escuridão.

Um poeta do Líbano disse que "vossos filhos não são vossos filhos", e desde que o li o entendi e guardei para mim sua mensagem: que somos empréstimos, mensagens de Algo Maior para este mundo. Todos nós trazemos um poema em nosso coração, somos um anjo que não sabe que é um anjo. Depois, muitos se esquecem de que o empréstimo é passageiro, e este é só mais um mundo no Caminho. Então acham que devem conquistar o mundo e viver nele para sempre, como se isso fizesse algum sentido em meio a uma jornada que nos ultrapassa em bilhões e bilhões de anos. Somos poeira de estrelas, filhos do cintilar dos sóis, como isso tudo poderia ser reduzido a uma só vida, a uma só persona, a um único registro social?

E assim, refletindo sobre isso, percebi que a minha vida já estava mudada, pelo resto de meus dias: isso era muito claro para mim. Ninguém recebe um empréstimo desses e passa impune – vive, mas parte de seu coração já começa a bater noutro ser; caça, mas guarda a melhor parte do alimento para o seu rebento; ora, mas sabe que carrega consigo, num carrinho de bebê, um pequeno milagre que, de alguma forma, é maior do que todos os milagres deste mundo.

para Gael...


raph'19

***

Crédito da imagem: raph

Marcadores: , ,

8 comentários:

Blogger Bruno Mais disse...

Avassalador , um tesouro para o recém chegado!
Parabéns e força e honra nessa nova aventura!
Abraços

24/1/19 16:23  
Blogger raph disse...

Valeu Bruno S2

24/1/19 17:23  
Blogger Samara Tonin disse...

Que lindo! Uma reflexão que vou guardar na memória. Meus olhos brilharam ao ler.

24/1/19 19:37  
Blogger raph disse...

Obrigado Samara :)

24/1/19 22:10  
Blogger Mayra disse...

Fantástico, Raph!Esse texto me tocou muito. Parabéns pela chegada do Gael e saúde pra todos vocês! Abraço.

25/1/19 21:34  
Blogger raph disse...

Obrigado Mayra, abs!

27/1/19 15:14  
Blogger Rafaela disse...

Que texto lindo!

Gael, seja muito bem-vindo!

Desejo o melhor para vocês três! :)

27/1/19 17:27  
Blogger raph disse...

Valeu Rafa :)

27/1/19 22:49  

Postar um comentário

Toda reflexão é bem-vinda:

‹ Voltar a Home