Pular para conteúdo
11.1.08

Saudades

Saudades
Do roçar das sandálias
Ao solo lamacento
Do jeito de caminhar
E a maneira de ensinar
Nos dando alento

Saudades
Do olhar distinto
Que nos dissecava
Via em nossa consciência
Quem se julgava alguém
E quem alguém amava

Saudades
Da determinação
A palavra doce
O gesto firme
E os lábios proféticos
Apontando a direção

Pois que foi aquele
Sozinho em meio ao deserto
Que encarou ao fogo sem medo
Pois que via-se nele
Entendera toda lição
E abrira todo coração

Saudades
Do rei
Que se fazia rei
Por demais saber
E demais amar

(volta logo, volta logo...)

raph

Marcadores: ,

0 comentários:

Postar um comentário

Toda reflexão é bem-vinda:

‹ Voltar a Home

Related Posts with Thumbnails