Pular para conteúdo
3.10.13

Lançamento: Rumi - A dança da alma

Após cerca de 9 meses de seleções, traduções e comentários, o meu livro acerca da assombrosa poesia de Rumi está pronto e disponível nas versões impressa e digital:

Comprar a versão impressa Comprar o eBook (Amazon Kindle)

» Baixe gratuitamente uma amostra do livro (28 páginas, PDF)

***

Jalal ud-Din Rumi foi um poeta e teólogo sufi que viveu na Anatólia (atual Turquia), no século XIII. Embora sua obra tenha sido escrita originalmente em persa, a importância de Rumi transcendeu fronteiras étnicas e nacionais. Seus poemas foram extensivamente traduzidos em várias das línguas do mundo e transpostos em vários formatos. Em 2007, Charles Haviland o descreveu como "o poeta mais popular da América" em artigo publicado no site da BBC.

Ele não estava distante da verdade, em 2013 uma única página dedicada a Rumi no Facebook contava cerca de um milhão de seguidores. Apesar de pouco conhecido no Brasil, os livros com a poesia de Rumi são best-sellers nos EUA há décadas. Numa pesquisa na Amazon.com por "Rumi", encontramos mais de 5 mil resultados. E aqui no Brasil, as traduções de Rumi podem ser contadas nos dedos de uma só mão. Estou entrando nesta dança também para fazer justiça a este poeta tão magnífico, e tão pouco traduzido para o português.

Acompanham os poemas, selecionados e traduzidos por mim, meus comentários inspirados em sua luz grandiosa. Ao longo do livro, falo também sobre a vida de Rumi, e de seu encontro com Shams de Tabriz, o catalisador de toda a sua divina embriaguez no Amor...

Rafael Arrais

***

Seguem abaixo trechos curtos de alguns poemas, escolhidos intuitivamente:


Além das ideias de certo e errado,
há um campo. Eu lhe encontrarei lá.

Quando a alma se deita naquela grama,
o mundo está preenchido demais para que falemos dele.
Ideias, linguagem, e mesmo a frase “cada um”
não fazem mais nenhum sentido.

***

Bata suas asas de amor e as faça fortes.
Esqueça a ideia das escadas religiosas.
O amor é o telhado. Seus sentidos são calhas d’água.

Beba a chuva diretamente do telhado.
Calhas são facilmente quebradas
e por vezes precisam ser trocadas.

Recite este poema em seu peito.
Não se preocupe como ele soa
passando por sua boca.

***

No momento em que ouvi minha primeira história de amor
eu comecei a procurar por você, mal sabendo
quão cego estava.

Os amantes não se encontram finalmente nalgum lugar.
Eles sempre estiveram um dentro do outro.

***

Tentei encontra-lo na cruz do Cristo, mas ele não estava lá.
Fui até os templos dos hindus e visitei os antigos pagodes (templos orientais),
mas não achei nem mesmo o seu rastro...

Eu escalei montanhas e o busquei nos vales
mas nem nas alturas nem nas terras baixas consegui encontra-lo.

Fui até a Caaba em Meca, mas não o vi.
Questionei os eruditos e os filósofos,
mas ele estava além do seu entendimento...

Então finalmente olhei para o meu coração
e lá estava ele.

Foi onde ele morava que o vi;
ele não poderia ser encontrado em nenhum outro lugar.

***

Veja também no Facebook:

» Galeria com as imagens internas do livro

» Rumi Brasil

Veja também no YouTube:

» Rumi e o misticismo islâmico (vídeo baseado em roteiro de Rafael Arrais)

Marcadores: , , , , , , , ,

13 comentários:

Anonymous Anônimo disse...

Muito inspirador!

1/10/13 08:31  
Blogger Faanta Laraanja disse...

Parabéns, amei, eu fiquei apaixonada pelo Rumi depois de assistir Drácula e ver seus votos de casamento " Não pense separadamente nesta e na próxima vida, pois uma dará para a outra a partida" Simplesmente Perfeito.

19/3/15 22:56  
Blogger Claudia Machado disse...

Onde encontrar o que perdi? Porém não se perde o que na dança se procura. Ele sempre esteve e estará lá. Eternamente girando, girando no presente sempre estará.

28/12/15 06:49  
Blogger Estrada da Harmonia disse...

As salam, Os sufis ansaris do Brasil
www.estradadaharmonia.blogspot.com

18/1/16 17:28  
Blogger raph disse...

Olá, muito grato pela divulgação, é sempre bom conhecer mais sufis por essas bandas de cá :)

Salam!
raph

19/1/16 09:35  
Blogger Emerson Cavalcanti da Silva disse...

Show!

20/3/16 18:39  
Blogger Sheila disse...

Linda missão traduzi-lo,bom gosto inquestionável.Parabéns!

29/7/16 18:12  
Blogger raph disse...

Obrigado Sheila, foi também um imenso prazer :)

29/7/16 20:20  
Blogger Madá disse...

Me lembrei do Santo Agostinho arde te amei, ó beleza tão antiga e tão nova!
Tarde demais eu te amei!
Eis que habitavas dentro de mim e eu te procurava fora!
Eu, disforme, lançava-me sobre as belas formas das tuas criaturas.
Estavas comigo, mas eu não estava contigo. Retinham-me longe de ti as tuas criaturas, que não existiriam se em ti não existissem.
Tu me chamaste, e teu grito rompeu a minha surdez.
Fulguraste e brilhaste e tua luz afugentou minha cegueira.
Espargiste tua fragrância e, respirando-a, suspirei por ti.
Eu te saboreei, e agora tenho fome e sede de ti.
Tu me tocaste, e agora ardo no desejo de tua paz.
Santo Agostinho

12/9/16 20:27  
Blogger raph disse...

Não foi a toa Madá, todos os poetas da alma, afinal, falam sobre a mesma Alma :)

13/9/16 09:07  
Blogger 5 disse...

Raph, seu livro tem a tradução do life & death, do rumi?

12/7/17 22:45  
Blogger raph disse...

Olá, não tem não. Muitas pessoas já perguntaram sobre este poema, provavelmente porque se encontra num filme (Drácula). Ocorre que no filme tem somente um trecho dele, acredito que misturado com o trecho de outro poema.

Em todo caso, tem ele completo em inglês, aqui:
http://www.rumi.org.uk/life&death.htm

Verei se um dia traduzo ele e publico aqui no blog :)

Abs!
raph

13/7/17 10:30  
Blogger raph disse...

Na verdade eu já havia traduzido parte dele, ao menos a parte que tem alguns dos trechos do filme. Está aqui no blog sob o título de "Veja o amor":

http://textosparareflexao.blogspot.com/2015/09/veja-o-amor.html

Abs
raph

13/7/17 10:57  

Postar um comentário

Toda reflexão é bem-vinda:

‹ Voltar a Home

Related Posts with Thumbnails