Pular para conteúdo
6.2.15

Não há pressa

Eu sigo dentre pedras portuguesas
de calçadas em desalinho.
As pessoas passam, meio que presas,
meio que desnorteadas do caminho.

Há os que estudaram para passar
e os que buscam tão somente amar.
Um bom emprego é uma sorte,
mas não há como vencer a morte.

Alguns galgam uma vaga no céu,
e temem o olhar de Deus.
Outros dançam ao léo,
jamais julgam os seus.

Com as pedras que catei no caminho
construí castelos em desalinho.
Amar é tão somente uma sorte,
o amor vive muito além da morte.

Há santos que dançam com Deus,
os mais belos pensamentos do mundo são seus.
Há seres que abandonaram seus egos ao léo
e que caminham, com muito alinho, pela via do céu.

Não há pressa:
tudo o que há é este momento
que também desaguará no mar...


raph'15

***

Crédito da foto: Marcos Issa/Argosfoto

Marcadores: , ,

0 comentários:

Postar um comentário

Toda reflexão é bem-vinda:

‹ Voltar a Home

Related Posts with Thumbnails