Pular para conteúdo
4.12.12

Nem ateu, nem agnóstico: cientista

Neste depoimento extraordinário para o Big Think, Neil deGrasse Tyson explica o porque de não ser exatamente um agnóstico, e muito menos um ateísta, mas tão somente um cientista, um livre pensador, e educador:

Transcrição de parte do depoimento
Muitas vezes me perguntam, ocasionalmente de uma maneira acusatória: "Você é ateísta?". Sabe, o único "ista" que eu sou é cientista, certo? Eu apenas penso por mim mesmo [1].

No momento em que o vinculam a uma filosofia ou movimento, eles transferem toda a bagagem que vem com isto para você! E quando quiser ter uma conversa, eles irão afirmar que já sabem tudo o que é importante saber sobre você, pode causa desta associação. E esta não é a maneira de se ter uma conversa. Desculpe, não é.

Seria melhor se explorássemos as ideias uns dos outros em tempo real, ao invés de atribuir um rótulo. O que as pessoas estão atrás é sobre minha postura sobre a religião, a espiritualidade, ou Deus. E eu diria, se pudesse encontrar uma palavra que chegasse mais perto, que seria agnóstico. Uma palavra que data do século XIX. Para se referir a alguém que não sabe, mas realmente não viu evidência para isto, embora esteja preparado para abraçar a evidência se estiver lá. Ok?

Existem muitos ateístas que dizem: "Bom, todos os agnósticos são ateístas." Ok. Sou constantemente reivindicado pelos ateístas. Eu acho isto intrigante. De fato, na minha página da Wikipedia, diz-se que sou ateísta. Então eu corrijo: "Neil deGrasse Tyson é um agnóstico". Volto uma semana depois, e diz-se novamente que sou ateísta... Em uma semana!

Tais termos não são a mesma coisa, e lhe direi porque: Ateístas que conheço, que orgulhosamente vestem a camisa, são ateístas ativos! Está na cara deles, ateístas! E eles querem mudar políticas, eles estão tendo debates. Eu não tenho o tempo, o interesse e a energia para fazer nada disso.

Sou um cientista. Sou um educador. Meu objetivo é fazer as pessoas pensarem direito em primeiro lugar, e ficarem curiosas sobre o mundo natural. E isto é tudo, não vou além disto.

E é estranho que a palavra "ateísta" até mesmo exista! [2] Eu não jogo golf, e há uma palavra para não-jogadores de golf? Eu não consigo me reunir e falar com todos numa sala sobre o quanto não acreditamos em Deus. Apenas não tenho energia para isto. Então, ser agnóstico me separa da conduta dos ateístas. Mas no fim do dia, seria melhor que eu não fosse de categoria nenhuma.

***

[1] Recordemos que a ciência em si não é nem espiritualista nem materialista, nem ateísta nem teísta, mas os cientistas, como seres humanos, não têm como escapar de estar "aqui ou acolá". Acho que o que o Tyson quis dizer (ao longo de todo o depoimento) é que simplesmente odeia rótulos de qualquer tipo, e prefere "conhecer as pessoas por detrás dos rótulos". Nesse sentido eu concordo com ele.

[2] Mas vale lembrar que, bem antigamente, o termo "ateísta" se referia não exatamente a quem não acreditava em nenhum deus, como parece ser o uso mais comum atualmente, mas principalmente a quem não seguia os rituais e os deuses das religiões "dominantes" de uma dada região. Exatamente por isso, Sócrates, Jesus e Espinosa foram acusados de ateísmo, embora todos acreditassem, cada um a sua maneira, nalgum deus.

Marcadores: , , , , , ,

5 comentários:

Blogger Islan Alex Triumpho da Conceição Lex disse...

Muito interessante... Mas percebo que o meu querido Neil deGrasse Tyson (sou admirador de longa data do seu trabalho em trazer conceitos complexos da ciência física para o leigo comum, como eu) mas ele não se furta de cometer o mesmo erro (por assim dizer) dos que lhe outorgam um rótulo: atribuir um "rótulo" e um valor, um significado "subjetivo" e "seu" ao termo genérico ~ e as pessoas que o usam ~ que é maior que seu significado semântico.

A priori, "Ateu" é alguém que diante da questão de se posicionar quanto a crença ou não de uma "Entidade" superior / criadora / regente: nega a existência de tal ser.

Sim, pode ser um "negar por negar"... mas os ateus, em geral, estão constantemente envolvidos com a questão de buscar "evidências" para fundamentar suas decisões.

Dado a pressão que passaram as pessoas que publicitaram sua conclusões ateias nasceu todo a uma posição revanchista e exagerada de defesa da posição em NÃO CRÊR em Deus/deuses.

Os Agnósticos são um tipo moderado de Ateus.

Agnóstico é aquele que considera os fenômenos sobrenaturais inacessíveis à compreensão humana. A palavra deriva do termo grego “agnostos” que significa “desconhecido", "não cognoscível”.

Num sentido religioso, agnóstico é aquele que não acredita na existência de Deus, porém não nega essa possibilidade, por se encontrar num patamar racionalmente inacessível.

No fundo NÃO É diferente do ateu que nega a existência de Deus ou de qualquer entidade superior. Ateus negam a existência de Deus ou de qualquer entidade superior por não existir evidências confiáveis para se concluir o contrário.



"Apenas" se você "PRESUMIR" que o ateu "CRÊ na descrença" DA MESMA FORMA que um crente "crê na crença": de forma "absoluta"; é que as palavras se distanciam de significado.

PARA MIM a palavra "Agnóstico" esta vinculada a ideia da ausência de "crença religiosa", o que não é o meus caso, pois sou ateu e Budista... ou seja: também tenho pré-concepções atuantes.

4/12/12 21:25  
Blogger Hermano disse...

Esse vídeo resumiu algo que eu sempre pensei sobre os rótulos. E sobre como eu tenho receio de me dizer espirita/umbandista, porque isso possivelmente quer dizer que eu concordo com qualquer coisa que um espirita/umbandista disser, o que não é verdade. E eu mesmo, às vezes acho que já sei tudo que a pessoa pensa quando diz sua religião. É muito chato.

5/12/12 09:23  
Blogger raph disse...

Islan,

Além da nota acima (no artigo) sobre outros significados do termo "ateísmo", creio que no caso do uso que o Neil fez do termo, ele estava mais se referindo ao "antiteísmo" do que ao "ateísmo" em si. O antiteísmo é "militante" e combate a crença alheia, muitas vezes considerando que a irracionalidade e a crença religiosa em geral (e eles também adoram "rotular") são uma espécie de "veneno da mente".

O termo "agnóstico" é bem mais moderno, e se refere basicamente a um ceticismo em relação a existência ou não existência de Deus. Mas este termo não veio da religião, e sim da filosofia. Kant dizia que a questão filosófica do "porque existe algo, e não nada?", não poderia ser resolvida pela condição humana atual, e talvez nunca possa...

Nem vem ao caso, para um agnóstico, afirmar que crê ou descrê. Por isso também os "rótulos" ainda se "especializaram" um pouco mais, em agnóstico teísta, e agnóstico ateísta. Apesar de que é perfeitamente possível ser puramente agnóstico, o que é uma condição que tem mais a ver com o ceticismo (filosófico) do que com qualquer outra questão religiosa ou anti-religiosa.

Recomento também Teísmos e ateísmos

Abs
raph



5/12/12 09:54  
Blogger raph disse...

Hermano,

É também por isso que eu sempre digo que minha religião é meu pensamento :)

Abs
raph

5/12/12 09:54  
Blogger Yara Morais disse...

Tyson é um cientista nato. Isso fica muito claro em seu posicionamento (ou talvez falta de) diante da religião.
Ora, de fato a humanidade tem uma necessidade incompreensível de rótulos, quando na verdade cada cabeça é um universo.
Fico às vezes sem entender os que se intitulam ateus, pois realmente perdem tempo, argumentação, em reuniões, movimentos em prol do ateísmo e igualmente não podem provar a inexistência de Deus. Já tenho até uma birra com o Dawkins que mistura alhos com bugalhos e acaba caindo no paradoxo de ser o "aiatolá dos ateus" hahahaha!!
Também não me agradam os rótulos religiosos, acredito que cada crença e cada mito guardam sua verdade, e cada pessoa sua interpretação.
Bjs

13/12/12 17:42  

Postar um comentário

Toda reflexão é bem-vinda:

‹ Voltar a Home

Related Posts with Thumbnails