Pular para conteúdo
10.8.11

Inefável

É como se a alma decidisse apertar o passo
E seguisse adiante rumo a uma de suas casas
Mas o corpo permanecesse preso ao laço
Suplicando por voar em suas asas

É como se houvesse formado grandioso temporal
E todos os raios caíssem no mesmo lugar
Mas eu tivesse que correr do matagal
Fugindo do calor de teu fogo a crepitar

É como se buracos negros dançassem
Com sua gravidade a formar galáxias
Mas eu tivesse medo que não me amassem

É como se houvesse engolido o próprio universo
E explodido em bilhões de pedaços de pura luz
Mas continuasse aqui, cantarolando em verso...

raph'11

***

Crédito da imagem: Escultura de Paige Bradley

Marcadores: , , ,

0 comentários:

Postar um comentário

Toda reflexão é bem-vinda:

‹ Voltar a Home

Related Posts with Thumbnails