Pular para conteúdo
5.4.12

Na soleira

Não sei como é tua casa, nem mesmo a porta...
Se estará aberta ou entreaberta
Decorada com flores ou diminutos duendes
De madeira ou de pura rocha;
Mas sei que terá uma soleira
E talvez tenha até um pequeno tapete
Para guardar fora a sujeira

O que sei é que tenho medo de perder-me de ti
Na imensidão de tua mansão...
Sei bem como as poetisas gostam de jardins
E grandes salões de jogos e bibliotecas
E uma pequena mesa para se jantar e almoçar
Visto que comer só é coisa de lobos e leões:
Imagino que em tua casa o café da tarde
Seja a hora de maior alegria

Quero então ver-te ali, na soleira...
Talvez com um olhar angustiado de saudade
De nunca termos sequer nos visto;
Mas eis que em teu olhar já verei
Todos os cômodos de tua mansão
Que jamais adentrei...

E, então, poderemos pular ligeiro
Para o café com bolachas
Salpicado por poemas
Anedotas para qualquer idade
Doces e breves risadas
E uma leve brisa
Da mais pura felicidade


raph'12 (para Carol)

***

Crédito da foto: ClassicStock/Corbis

Marcadores: , ,

4 comentários:

Blogger Carol Phoenix disse...

Amor também se faz assim, com palavras. Com poesias que deixam pegadas, da porta de casa à porta do coração. Amar também é isso, por que não?

Minhas portas, meus braços e meu coração estarão sempre abertos pra ti.

Beijo!

5/4/12 22:46  
Blogger raph disse...

Os meus também. Talvez a inspiração seja isso: brisas de amor que passam, e não encontram portas fechadas...

Bjo :)

6/4/12 11:42  
Blogger Janice Adja disse...

Foi um dos mais belos poemas que já li, "A Soleira"

6/4/12 19:56  
Anonymous Anônimo disse...

Muito lindo!!

8/4/12 06:52  

Postar um comentário

Toda reflexão é bem-vinda:

‹ Voltar a Home

Related Posts with Thumbnails