Pular para conteúdo
30.10.13

E não pisquem os olhos!

Dizem que os alquimistas queriam transformar chumbo em ouro. Há um certo mistério nesta transformação: segundo Lavoisier, “na Natureza nada se perde ou se cria, apenas se transforma”; então, poderíamos pensar, como diabos uma substância se torna outra?

Do que, afinal, é feita a Natureza? O que forma a realidade (ou o que conseguimos perceber da realidade)?

Segundo Aristóteles, a realidade nada mais é do que uma relação entre substância e estrutura. Para ele, nada existe que não seja uma combinação entre elas. A substância sem estrutura é o caos (o que, no pensamento grego, equivalia ao “nada” de onde surgiu o mundo); já a estrutura sem substância é mero fantasma do ser... Mas será mesmo?

Normalmente se diz que um espiritualista crê em “espíritos e coisas imateriais”, enquanto que um cientista materialista crê “somente na matéria”. Quando analisamos sob este ponto de vista, fica parecendo que os primeiros creem em coisas etéreas, e que os últimos creem em coisas sólidas. Entranho de pensar: foi exatamente a ciência moderna que minou completamente toda e qualquer ideia de “solidez da matéria”.

Hoje se sabe que num simples aperto de mão, se alguma parte de nossos átomos realmente se chocasse com os átomos de quem cumprimentamos educadamente, teríamos um drástico incidente nuclear do qual certamente não escaparíamos com vida. No fim das contas, somos formados por pequenos pedaços flutuantes de matéria que em realidade estão simplesmente “flutuando por aí”. A única coisa que os mantém juntos é a estrutura determinada pelas leis naturais... Mas, e quanto a substância?

Em 1844, Michael Faraday, observando que a matéria só podia ser reconhecida pelas forças que atuam sobre ela, indagou-se: “Que razão teríamos para supor que ela realmente existe?” [1]

No início do século XX a física descobriu que os próprios átomos, até então verdadeiros “arautos da solidez intrínseca da realidade”, eram, em essência, espaço vazio. Não muito tempo depois a mecânica quântica revelou ante a cientistas extremamente espantados que os constituintes subatômicos – elétrons, prótons e nêutrons, que formam os átomos – se comportavam mais como aglomerados de propriedades abstratas do que como usualmente são vislumbrados por nós leigos: pequeníssimas bolas de bilhar.

A cada nova casca da realidade desvelada pela ciência ficava mais claro que a cebola cósmica era formada por pura estrutura, enquanto que a substância em si foi se tornando cada vez mais teórica e cada vez menos empírica e observável. Segundo a teoria das cordas, a matéria poderia ser formada praticamente por pura geometria – mas uma “geometria” que tampouco pode ser detectada atualmente.

Em seu nível mais fundamental, a ciência descreve os elementos da realidade de um ponto de vista puramente relacional e estrutural, ignorando, em realidade, se existe ou não uma substância no final das contas. Ela pode nos dizer, por exemplo, que um elétron tem certa massa e certa carga, mas tudo o que isto nos informa é que o elétron tem a propensão de sofrer a ação de outras partículas e forças naturais de determinadas maneiras. Ela pode nos dizer que a massa equivale a energia, mas não nos informa efetivamente o que diabos é a energia senão uma quantidade numérica que, calculada da forma correta, se conserva igual através de todos os processos físicos do universo.

Conforme observou o filósofo Bertrand Russell em Análise da matéria (1927), “as entidades que constituem o mundo físico são como peças num jogo de xadrez: o importante é o papel de cada peça num sistema de regras que determinam como ela pode se mover, e não do que é feita tal peça”.

Talvez tenha sido John Wheeler, um físico americano, quem melhor descreveu a essência da realidade: uma cadeia estrutural de pura informação. Para se explicar melhor, ele cunhou a expressão “o it que vem do bit”. Em suas palavras: “Cada it – cada partícula, cada campo de força e até mesmo o próprio continuum espaço-tempo – deriva inteiramente sua função, seu significado, sua própria existência – mesmo que em alguns contextos indiretamente – de respostas induzidas por equipamento a perguntas sim ou não, escolhas binárias, bits. O it que vem do bit simboliza a ideia de que cada item do mundo físico tem no fundo – bem no fundo, na maioria dos casos – uma fonte e uma explicação imateriais; que aquilo que chamamos de realidade vem em última análise da colocação de perguntas sim-não, e do registro de respostas evocadas por equipamento; em resumo, que todas as coisas físicas são informacional-teóricas na origem.” [2]

Mas se as mentes mais racionais e científicas de nossa história recente nos dizem que em sua essência a realidade não passa se um fluxo de estruturas em constante mutação, sem qualquer substância subjacente, onde exatamente se encontra a antiga solidez do materialismo clássico? Onde existe, afinal, alguma substância?

Ora, a despeito de toda a metafísica presente na física moderna, há ainda uma parte do universo em que a sua explicação para a realidade ainda não penetra inteiramente: algo que se situa, ao menos em teoria, bem entre as nossas orelhas...

Para que a realidade pudesse ser explicada somente em termos de informação, seria necessário que nossa consciência e nossa subjetividade também o fossem. Dizem que os cientistas da computação estão muito próximos de criar simulações computacionais de processos mentais complexos, como “sentir dor com uma martelada no dedão” ou “sentir prazer com a vermelhidão e o perfume de uma rosa”. O filósofo John Searle, entretanto, se pergunta “porque alguém na plena possa de suas faculdades racionais suporia que uma simulação de processos mentais em computador de fato tivesse processos mentais?”.

Esta é uma longa discussão, mas o que sabemos atualmente é que a consciência e a subjetividade humanas permanecem absolutamente misteriosas, além do alcance da linguagem e de uma descrição puramente informacional... A consciência não se limita ao mero processamento de informações, a mera computação. Há algo mais, algo que utilizamos principalmente na leitura de poesia ou na contemplação de grandes peças de teatro, obras de arte, shows musicais ou, simplesmente, na observação de um jardim: a interpretação da Natureza.

Se o mundo não pode ser descrito somente por este ponto de vista absolutamente abstrato e metafísico da ciência moderna, há que se buscar onde há exatamente uma substância “palpável” por detrás de tanta teoria.

Ora, se em toda a vasta quantidade de informação do universo tudo o que se encontrou foi estrutura, é possível que a substância esteja, afinal, na própria mente que observa toda essa imensidão estrutural. Neste caso, é possível que toda a realidade – subjetiva e objetiva – seja constituída da mesma substância básica. Parece uma hipótese simples e atraente, além de maluca... Foi exatamente a esta hipótese que Bertrand Russell chegou em sua Análise da matéria. O mesmo disse Arthur Eddington (outro “Sir”) em The Nature of the Physical World (1928): “a substância do mundo é uma substância mental”.

É precisamente neste ponto que grandes cientistas e filósofos da modernidade se alinham novamente com o misticismo antigo, muito antigo, ainda que muitos sequer se deem conta disso.

Há milhares de anos houve um homem (ou talvez um mito, ou quem sabe um deus, o que neste caso não faz tanta diferença), chamado Hermes Trimegisto, que disse que “o Todo é mental”. Não foi a única coisa que disse que casa perfeitamente com a ciência moderna. Segundo ele, “o que está em cima é como o que está embaixo” – querendo dizer que as leis que regem o que está no alto do céu eram as mesmas que regem o que está aqui no solo onde pisamos; e “tudo vibra, nada está parado” – querendo dizer que, a despeito do que nossos sentidos nos dizem a todo momento, não há um só pedaço do seu corpo que esteja realmente parado no mesmo lugar. Quantos chutes e quantos acertos para Hermes, não?

A lição que parece restar disto tudo é que não importa, no final das contas, se queremos descrever a realidade através da filosofia de Aristóteles, da física de partículas aliada a mecânica quântica, ou do hermetismo antigo. O que importa é que estamos tentando descrever o que temos contemplado, espantados, há muitas e muitas eras. Que existe aí alguma substância, seja onde for, e ela não é o Nada, pois não existe o Nada.

Dizem os teístas que Deus criou o mundo à partir do Nada. Mas isto não é possível, nem mesmo para Deus – no fim, uma substância jamais se tornou outra, e Deus sempre foi o mesmo. Nunca houve a possibilidade da existência do Nada, nunca houve “0”, apenas “1”. Flutuações quânticas no vácuo não são o Nada; o tecido espaço-temporal ou o campo de Higgs não são o Nada; mesmo um espaço perfeitamente vazio, exatamente por estar “vazio” e “poder ser preenchido” não é o Nada. Não importa se ainda tateamos em meio a névoa metafísica de um universo puramente informacional onde catalogamos e computamos estrutura, sem jamais chegar a capturar qualquer substância: o fato é que existe Algo, e não Nada.

Seremos capazes de, algum dia, com toda nossa filosofia, ciência e espiritualidade, completar este tortuoso caminho de religação a esta tal substância? Seremos capazes de algum dia abrir os olhos e ver não os fótons de luz que refletem a estrutura da realidade, mas ver efetivamente a substância que faz com que ela exista?

Seja como for, neste dia, neste momento dourado, estejam atentos e não pisquem os olhos... Contemplem a substância que sempre aí esteve, que sempre existiu, estruturada de maneiras inefáveis e infinitas, dando forma a toda a vastidão informacional do Cosmos através de todo espaço e todo tempo... Contemplem com os olhos da alma, seja ela o que for...

E não pisquem os olhos!

***

[1] Esta e outras citações deste artigo foram retiradas de Por que o mundo existe?, de Jim Holt (Ed. Intrínseca).

[2] Citado em O universo inteligente, de James Gardner (Ed. Pensamento). O livro de Wheeler, de onde foi extraída a citação, é intitulado At home in the universe.
Um bit de informação equivale a menor unidade computacional que pode ser medida, ela pode assumir somente dois valores, tais como “0” ou “1”, “verdadeiro” ou “falso”, etc. Não confundir com bytes, que são conjuntos de bits (normalmente, 8 bits).

Crédito da foto: ever-look

Marcadores: , , , , , , , , , , , , , ,

12 comentários:

Blogger Alfredo Carvalho disse...

Raph, seu estilo está cada vez mais elegante! Dá muito gosto de ler.

31/10/13 08:34  
Blogger raph disse...

Obrigado, este artigo deve muito também ao livro citado na nota #1 :)

31/10/13 15:16  
Blogger Gustavo Macedo disse...

Muito Bom! Você me transportou pelo universo inteiro, tanto o macro como o micro, através desse texto. Agora passarei a tarde em estado vegetativo...=D

Abraços

1/11/13 15:29  
Blogger raph disse...

Obrigado Gustavo. Mas, muito pelo contrário: ainda que passe a tarde apenas a observar seus próprios pensamentos, estará longe de um estado vegetativo - e bem mais próximo, isto sim, de um estado contemplativo!

Boas reflexões :)

Abs.

1/11/13 23:01  
Blogger Bruno Vital disse...

Ótimo texto Rafael, meus parabéns! Estava com saudades desse tipo de texto. Vc consegue unir ciência e religiosidade de uma forma brilhante!

12/11/13 00:05  
Blogger raph disse...

Obrigado Bruno, é que com as edições de livros digitais eu tive de parar um pouco com a produção de artigos mais "técnicos", mas ano que vem vou focar um pouco mais neles :)

Abs
raph

12/11/13 10:07  
Anonymous Franco-Atirador disse...

Kra... sem palavras! Esse é o assunto que mais me motiva/maravilha/atormenta, e é, pra mim, a melhor parte desse blog, a que mais me identifico. Vc sempre bate encima dessa "Questão Abísmica", fazendo um papel que acho fantástico e também estou sempre fazendo, que é do Conciliador.

A Humanidade precisa ler textos assim, pena que poucos estão acompanhando os progressos científicos nesse campo!

Sensacional! Parabéns!

12/11/13 11:39  
Anonymous Franco-Atirador disse...

Eu sabia Tudo
preenchia Tudo
era Tudo
E, por isso mesmo, era nada
Mas não há sentido em algo resolvido
Foi então que percebi
Que tudo era monotonia
Nada acontecia!
Tudo estava acontecido
Mas resolvi olhar acontecer
Vou me limitar, me restringir
Me perder pra me buscar
Então, o caminho foi traçado
Fiz em mim uma rede e nela Me joguei
Me escondo em Mim mesmo
sob uma miríade de formas
Experimento o experimentar
Eu vou e volto
Infinitamente
De modos Infinitos!

12/11/13 11:50  
Blogger Juliano disse...

Além de não piscar os olhos eu prendi a respiração... ufa!

Mais um ótimo texto, impressionante!
Obrigado Raph

12/11/13 13:11  
Blogger raph disse...

Obrigado pessoal!

Acho que sou um dos poucos blogueiros que pode se gabar de ter poesias nos comentários :)

***

Sobre o "tema", acredito que vão gostar também desta série de contos/poemas:

Mito da Criação

Abs!
raph

12/11/13 16:49  
OpenID leovaneios disse...

Sensacional texto, absolutamente bem escrito e bem fechado, mesmo deixando a mente aberta. rs

Eu tenho a sensação ´(veja bem, só uma sensação sem embasamento científico) que não parece ter muita lógica haver um limite. Acredito que essa partícula-base, esse fluido-menor (fluído cósmico universal?), tende ao infinitamente menor, para dentro. Ele não me parece ser ou descritível pelo fato de ser algo que "tende à" e não que "é". Assim como o macrocosmo. Se eu acreditar que existe essa partícula e ela "é", me dá a sensação que o conhecimento do universo é limitado.

Abraços e por favor continue seus textos! :)

20/11/13 19:45  
Blogger raph disse...

Obrigado Leo.

Pois é, há cerca de 150 anos atrás a ciência acreditava que o limite do muito pequeno era o átomo e que o limite do muito grande era a Via Láctea.

Depois descobriu que do átomo haviam prótons, nêutrons e elétrons, e destes haviam quarks, e talvez tudo seja formado por vibrações de pequeníssimas cordas que ainda não foram detectadas em experimentos...

E quando a Via Láctea, hoje se sabe que é apenas uma de bilhões e bilhões em um universo teoricamente infinito.

A tendência é, portanto, que continuemos, através da ciência, a conhecer mais e mais da estrutura do Cosmos. Já a substância, esta talvez não possa ser abarcada somente por experimentos, mas sobretudo por experiência e sensação :)

Abs!
raph

21/11/13 10:00  

Postar um comentário

Toda reflexão é bem-vinda:

‹ Voltar a Home

Related Posts with Thumbnails