Pular para conteúdo
15.9.14

Esta terra é minha!

se indagava o Chefe Seattle, em resposta a oferta do então presidente americano sobre as terras de seu povo: "Como alguém pode comprar ou vender a terra? Essa ideia é estranha para nós". A ideia de que uma parte da Terra pode "pertencer a um povo", seja pela conquista sangrenta ou pela oferta de riquezas, ia de encontro a crença dos indígenas norte-americanos: "Somos parte da terra e ela é parte de nós. Sabemos que a terra não pertence ao homem. O homem pertence à terra. Todas as coisas são interligadas, como o sangue que nos une. O homem não tece a teia da vida - ele é apenas um fio dela. O que fizer à teia, fará a si mesmo".

Em This Land is Mine, um curta de animação tão melodioso quanto brutal, Nina Paley parece nos trazer uma reflexão muito parecida com a do Chefe Seattle. Trata-se de uma breve história do que vem ocorrendo no território hoje disputado por Israel e Palestina, e que já foi conhecido por diversos outros nomes, desde a pré-história até os dias atuais... Assistindo até o final, fica difícil não se perguntar: "O que diabos, afinal, tem de santa essa terra?"

» Um pequeno guia dos povos retratados no curta (em inglês)

***

Crédito da trilha sonora: The Exodus Song - melodia de Ernest Gold, com letra de Pat Boone e voz de Andy Williams

Crédito da imagem: Divulgação/This Lands is Mine

Marcadores: , , , , , ,

2 comentários:

Blogger Pouco Falo disse...

Não parece muito fiel aos fatos atuais da Palestina, onde não existe disputa por terra ou conflitos, mas sim roubo de terras através de assentamentos ilegais e massacres de inocentes em nada parecidos com um conflito militar.

18/9/14 14:19  
Blogger raph disse...

Os judeus têm pistolas, os palestinos ainda carregam espadas. É uma referência a disparidade tecnológica das armas de ambos os lados.

19/9/14 16:40  

Postar um comentário

Toda reflexão é bem-vinda:

‹ Voltar a Home

Related Posts with Thumbnails