Pular para conteúdo
10.5.16

Ainda tem jeito

Num mundo atribulado por notícias de guerra, de refugiados, de intolerância e crises políticas e econômicas, certamente há motivo para encarar o amanhã sem lá muita esperança. Mas é aí que entram os grandes mitos, as grandes histórias: elas nos ajudam a nos elevar, um pensamento por vez, um dia após outro...

E se engana quem pensa que tal mitologia se perdeu no passado longínquo, numa terra de deuses e anjos e demônios. Ela ainda está sendo escrita e reescrita, até mesmo no futebol.

O Leicester City é um time inglês com mais de um século que, não obstante, nunca havia sido campeão inglês. Na última temporada ele havia conseguido chegar na Primeira Divisão, e quase foi rebaixado novamente, como ocorre com os chamados “times pequenos”, isto é, que não pertencem as cidades ricas e não podem arcar com fortunas para contratar seus jogadores.

Mesmo assim, contra todos os prognósticos (quem apostou nele no início da temporada ficou milionário), o centenário Leicester finalmente conquistou seu troféu de campeão inglês nesta temporada. Recentemente, no primeiro jogo em casa após haver se consagrado, o técnico do time chamou um amigo, o tenor Andrea Bocelli, para cantar Nessun Dorma (“Ninguém durma”) em pleno estádio, para mais de 30 mil pessoas que na altura já pulavam e cantavam as típicas músicas de torcida.

Penso que o que se seguiu está além da descrição, cai na categoria dos mitos. Cai naquilo que chamamos de grande arte, ou magia, ou simplesmente aquilo que nos toca a alma, e nos conecta e nos faz enxergar: a humanidade ainda tem jeito.

A ária refere-se à proclamação da princesa Turandot, determinando que ninguém deve dormir: todos passarão a noite tentando descobrir o nome do príncipe desconhecido, Caláf, que aceitou o desafio:

[Caláf]
Que ninguém durma!
Que ninguém durma!
Você também, ó Princesa
Em seu quarto frio, olhe as estrelas
Tremendo de amor e de esperança
Mas meu segredo permanece guardado dentro de mim
O meu nome ninguém saberá
Não, não, sobre tua boca o direi
Quando a luz brilhar
E o meu beijo se desfaz
Em silêncio, que te faz minha.

[Coro feminino]
O seu nome ninguém saberá
E nós teremos, oh!, que morrer, morrer...

[Caláf]
Parta, oh noite
Esvaneçam, estrelas
Esvaneçam, estrelas
Ao amanhecer eu vencerei!
Vencerei! Vencerei!

***

Crédito da imagem: Google Image Search/Premier League

Marcadores: , , , ,

0 comentários:

Postar um comentário

Toda reflexão é bem-vinda:

‹ Voltar a Home

Related Posts with Thumbnails