Pular para conteúdo
2.4.14

Cerâmicas inúteis

Hoje o dia nasceu claro e quente,
e ao largo dos jardins os seres já caminham apressados –
esses mesmos que buscam por tudo o que ainda se sente
em meio as ruínas dos templos dos antepassados.

Até a tardinha já recolheram muitos pedaços e detritos
de cerâmicas novas e antigas, espalhadas ao léu –
esses mesmos que buscam alcançar seus mitos
numa bela reunião no tabernáculo do céu.

Hoje a noite cobriu tudo com a sua escuridão
e todos se recolheram em suas casas,
protegidos em seu porão.

Os dias e os mitos e as noites continuarão seu ciclo –
mas não serão conquistados num céu futuro
e nem remontados com tais cerâmicas inúteis...


raph'14

***

Crédito da imagem: Carla Prates (restauradora)

Marcadores: , , ,

2 comentários:

Anonymous Samuel Otemi disse...


Um mito é uma jornada, embora se possa aprender ouvindo as histórias dos passos dos outros, mas eles só se tornam vivos, com a ação de nossos próprios passos.Por isto que ele é mutável, já que conforme agente anda, toda a paisagem muda ao nosso redor, mas assim como fica algo na nossa alma de cada lugar que agente passa, o mito permanece e você tem razão todas estes pedaços de cerâmica pela estrada não serve de nada se não unimos eles pelo espirito de nossos próprios passos e torná-los uma imagem completa lucida e coerente.O que era parte agora vemos face a face.Talvez está seja a diferença entre o mito em uma cidade e em uma tribo, na tribo não há separação entre a sua vida e o mito, e ele queima mais forte em volta de uma fogueira.

4/4/14 09:44  
Blogger raph disse...

Até que as cidades, e todo o mundo, se incendeiem numa só tribo... :)

4/4/14 11:19  

Postar um comentário

Toda reflexão é bem-vinda:

‹ Voltar a Home

Related Posts with Thumbnails