Pular para conteúdo
15.7.14

Um breve interlúdio da eternidade

É precisamente aqui
no topo destas montanhas
que fecho meus olhos e imagino,
e viajo com o vento
e observo do alto
a tudo o que corre e caminha
e ara e caça e assobia e dança
e, pelas vastas campinas, vive.

Eu vejo as fileiras de berberes em seus antigos camelos
a cruzar uma tempestade de areia.
No norte da África, este povo sobreviveu a aridez do Saara,
e ao surgimento e morte de civilizações.
Ninguém conseguiu represar seu pensamento
que, livre como o vento,
canta com certa tristeza
e também com imemorial alegria
o destino de todos aqueles que cruzaram
para o Norte, o Oriente e o Ocidente.

Eu vejo os templos de Veranasi semi encobertos pelas águas
do rio mais sagrado de seu povo.
No coração da Índia, corre o Ganges,
com suas águas a fluir das grandes alturas;
e assim, batizando a todos,
curando a todos,
embalsamando a todos,
desce o Ganges, desde o Himalaia,
e junto com ele também
vai toda uma procissão fluvial de deuses.

Eu vejo as ciganas a dançar numa praça de Skopje,
ao som dos antigos pandeiros.
Seus tecidos são como criaturas a bailar pelo ar,
e os seus corpos sensuais
nada mais são do que uma extensão de sua alma.
Ninguém sabe de onde vieram, nem para onde vão:
Macedônia, Romênia, Itália, Espanha, Portugal...
Vejo um povo que gosta de perder países
e que jamais encontrou qualquer fronteira
ou muro em seu caminho.

Eu vejo uma roda de samba nos Arcos da Lapa,
e ouço o murmúrio dos escravos vindos da África
tornado amarga alegria.
A sua volta, representantes de diversos povos do globo
arriscam passos desengonçados
numa tentativa de dançar como os negros brasileiros;
mas somente um povo que tanto sofreu
e que guardou todos os seus mitos lá no fundo do coração
pode dançar este samba.

Eu vejo uma grande festa
num bar na cobertura de um dos arranha-céus
da cidade no centro do mundo – ó Nova York!
Vejo uma grande reunião de povos,
viajantes genéticos dos confins da Terra,
que celebram ali
toda a vã alegria da pós-modernidade.
Vejo seres abatidos por um grande esquecimento
das celebrações ancestrais
ao redor de fogueiras
e debaixo de uma vastidão de tribos estelares.

Vejo, enfim, um grande comboio de almas
a singrar em ziguezague pelo mundo,
a ir e voltar e ainda assim
jamais sair do lugar.
E vejo também
a beira das estradas
e a beira das estrelas
os instrutores desconhecidos
a cuidar e amar
cada uma delas,
sem exceção!

E após contemplar a tudo isso,
e após meditar acerca disso,
e refletir adentro
este breve interlúdio da eternidade,
é que posso ver
o que Deus vê
ao olhar para si mesmo
a cada momento,
desde que decidiu imaginar a Tudo,
a Tudo!


raph’14

***

Crédito da foto: APOD

Marcadores: , ,

2 comentários:

Anonymous Anônimo disse...

Rapaz, vc se supera! Feliz em lê-lo!

15/7/14 18:34  
Blogger raph disse...

Obrigado, feliz em ser lido :)

16/7/14 10:48  

Postar um comentário

Toda reflexão é bem-vinda:

‹ Voltar a Home

Related Posts with Thumbnails