Pular para conteúdo
7.10.14

A Igreja da Alma do Mundo

Há um trecho do Alcorão, na Surah Al Falaq, que nos incita a dizer: "Refugio-me no Senhor da Alvorada contra o mal daquilo que Ele criou".

Ora, o mal é a ignorância do bem. Não chegamos a existência perfeitos em conhecimento, sabedoria ou moral, e portanto estamos lentamente, passo a passo, desenvolvendo nossas potencialidades, depurando nossa ignorância, nosso mal... Pela lógica, é impossível atribuir a maldade a ideia de Deus. No entanto, é logicamente plausível que exista mal "naquilo que Ele criou", e que esse mal seja exatamente o atestado da eficiência e do sentido do sistema da Criação: fôssemos criados perfeitos, seríamos autômatos, robôs programados para fazer o bem (e isto não seria "ser bom").

Acredito que não exista uma ideia mais bela do que a ideia de se deixar um princípio, uma semente de perfeição, aflorar e se desenvolver por si mesma, bastando o contato do sol para que floresça, e nada mais... É claro que o próprio conceito de "perfeição" encerra inúmeras complexidades. Até que ponto ela iria? Quando seria o suficiente? Quando estaríamos, enfim, aptos a ver Deus "face a face"?

Já disse o Rabi da Galileia que "um dia faremos tudo o que ele fez, e muito mais". E disse também que éramos deuses... Quem sabe esta "perfeição" não resida num ponto do caminho, mas no caminho em si, e no sistema que o possibilitou existir?

Portanto, Deus, ou o que quer que tenha imaginado o Cosmos, não é mal, e nem devemos supor que alguma maldade de sua parte seria justificada pela "justiça divina". A justiça não faz o mal, ela aplica remédios. Tais medicinas podem ser amargas, é bem verdade, mas elas visam tão somente a nossa cura, e a nossa religação ao caminho.

Não há médico, porém, que possa nos prometer ou garantir a cura, nem o mais santo dos santos. Somente nós mesmos podemos nos curar, mas existem diversos tratamentos. Algumas pessoas chamaram algumas dessas receitas de "doutrinas religiosas", mas fato é que a nossa verdadeira igreja reside mesmo é em nosso coração. É somente lá, na Igreja da Alma do Mundo, que as orações tomam forma, as mais belas formas de todo o universo...

***

Crédito da imagem: Vorrarit Anantsorrarak

Marcadores: , , , , , ,

2 comentários:

Anonymous Anônimo disse...

"...uma semente de perfeição, aflorar e se desenvolver por si mesma, bastando o contato com do sol para que floresça e nada mais". Fico pensando se os autores pensam em como eu penso ao ler o texto.
Se fosse eu ao escrever isso a as correlações seriam:
- Semente (Malkuth como reflexo de Kether, pois como diz o ditado: Kether está em Malkuth como Malkuth está em Kether);
- Contato do Sol (ligação com o SAG via Tifereth);
- Floresça (o desabrochar da Rosa na Cruz, a Cosecução da Grande Obra, o Caminho da flecha como o caule ascendente da flor).
Foi nisso que você pensou ou sou eu que encaixo tudo o que leio neste padrão mental? kkkkkkk

7/10/14 19:36  
Blogger raph disse...

Então, para você ter uma ideia, esse texto na verdade é de 2008, mas eu dei uma "incrementada" de última hora nele, e se não me engano esse verbo, "florescer", surgiu dali... Como é muito comum, eu escrevo as coisas sem pensar muito e depois é que os leitores vêm trazer as suas interpretações.

Hoje eu até entendo um pouco mais de Kabbalah, mas muito do que "surge" vem da inspiração mesmo... O mistério!

Abs
raph

7/10/14 19:47  

Postar um comentário

Toda reflexão é bem-vinda:

‹ Voltar a Home

Related Posts with Thumbnails