Pular para conteúdo
20.8.10

O que é a vida?

Texto de James Gardner em "O universo inteligente" (Ed. Cultrix) – Trechos das pgs.53 a 55. Tradução de Aleph Eichemberg e Newton Eichemberg. As notas ao final são minhas.

Essa questão tem uma história sabidamente longa e turbulenta, estimulando poetas e céticos, filósofos e mecânicos quânticos, biólogos e místicos, a oferecer um desnorteante pot-pourri de explicações radicalmente diferentes. A vida é um fenômeno único e fundamentalmente diferente da não vida, opinou o filósofo francês Henri Bergson. Bergson teorizou que a vida é irresistivelmente impelida a níveis cada vez mais altos de realização evolutiva por uma misteriosa força vital (élan vital), que é inteiramente ausente na matéria não viva [1].

Absurdo, objetou o cético Robert Morrison. A palavra vida é apenas uma convenção lingüística que empregamos para descrever uma classe especial de objetos materiais que têm algumas incomuns características termodinâmicas e comportamentais. Além do fato de partilharem certas propriedades, as coisas vivas são indistinguíveis de pedras sem vida:

“A vida não é uma coisa ou um fluido mais do que o calor o é. O que observamos são alguns conjuntos incomuns de objetos separados do resto do mundo por certas propriedades peculiares, como crescimento, reprodução e maneiras especiais de lidar com a energia. Esses objetos, escolhemos chamar de coisas vivas [2]”.

A arma secreta da vida, concluiu o pioneiro da física quântica Erwin Schrödinger num livro intitulado What Is Life? [O Que é a Vida?], é sua capacidade única de metabolizar: exportar desordem para o ambiente circundante em forma de calor irradiado e excrementos enquanto importa ordem desse ambiente em forma de alimento e energia [3].

[...] O livro de Schrödinger foi uma inspiração para toda uma geração de cientistas que criaram, basicamente a partir do zero, o enorme empreendimento científico hoje conhecido como biologia molecular. Em particular, Schrödinger antecipou e inspirou a épica façanha de James Watson e Francis Crick: a descoberta da estrutura do DNA.

[...] Watson revelou que foi a conjectura de Schrödinger que inspirou seu insight:

“Schrödinger argumentou que a vida pode ser pensada em termos de armazenamento e transmissão de informações biológicas. Os cromossomos seriam assim meros portadores de informação... o livro de Schrödinger teve muita influência. Muitos dos que seriam os principais atores do Primeiro Ato do grande drama da biologia molecular, inclusive Francis Crick (ele mesmo um ex-físico), leram What Is Life? e ficaram impressionados, como eu”.

Watson tirou uma importante conclusão filosófica de sua descoberta do fundamento molecular da vida e da hereditariedade: que a vida não é tão diferente assim da não vida, e que a matéria viva não abriga segredos inerentemente impenetráveis:

“Nossa descoberta põe fim a um debate tão antigo quanto a espécie humana: Será que a vida tem alguma essência mágica, mística, ou é, como qualquer reação química produzida numa aula de ciências, o produto de processos físicos e químicos normais? Haverá alguma coisa divina numa célula que a traga a vida? A dupla hélice respondeu a essa pergunta com um definitivo Não”.

Ironicamente, seu mentor intelectual (Schrödinger) chegou precisamente à conclusão oposta em What Is Life?, ao observar que a característica que define a vida – sua capacidade para produzir e prolongar a existência de uma ilha de ordem contínua, incessantemente fustigada por um mar de aleatoriedade e de desordem movida a entropia – é uma forte evidência da existência de um “novo tipo de lei física” que governa o comportamento da matéria viva [4].

***

[1] Mesmo antes da descoberta do DNA, muitos filósofos antigos e recentes têm concebido esta idéia de uma força vital a impulsionar os seres a evoluir. Schopenhauer, por exemplo, fala em uma força que nem sempre está interessada em nossa felicidade – tudo o que ela “deseja”, em realidade, é garantir a procriação da espécie. Desnecessário dizer que muitos biólogos evolutivos concordam com ele.

[2] Há muitos que se dizem materialistas, crendo que isso significa simplesmente que não crêem em espíritos ou assombrações. Outros acham que ser materialista significa dar grande valor a bens materiais e riquezas, etc. Não, ser materialista significa crer que apenas a matéria já detectada explica todo o funcionamento da vida e da consciência. Sim, detectamos apenas em torno de 4% da matéria do universo, os materialistas têm uma fé enorme nesta aposta... Dito isso (e também considerando que nem todos os céticos são materialistas), para reduzirmos seres a coisas, consciências a máquinas biológicas, antes é preciso comprovar que coisas ou máquinas são capazes de interpretar informações e elaborar respostas morais e emocionais em geral, ao invés de apenas computar informações e/ou imitar comportamentos de seres que consideramos vivos. Para começar, seria bom alguma máquina finalmente passar no teste de Turing.

[3] Geralmente se considera esse mecanismo anti-entrópico singular dos seres vivos apenas no campo da ordem do organismo em si. Se fomos pensar em toda a ordem de armazenamento de informações no cérebro, independente de entropia “exportada” para fora do corpo, temos uma outra grandeza de ordem a ser analisada. Poucos cientistas pensam nisso...

[4] Moral da história: “Pouca ciência afasta, muita ciência aproxima”... De que afasta? De que aproxima? De Deus (seja como for), do Cosmos, dos mistérios ainda insondáveis da natureza, daquilo que somente os grandes gênios da ciência ousam considerar...

***

Crédito da imagem: Bill Varie/Corbis

Marcadores: , , , , , , ,

6 comentários:

Anonymous Ronaud disse...

Instigante toda a fundamentação de suas reflexões. A respeito do tema, volta e meia me pego cogitando a seguinte situação:

Se fosse possível aos cientistas "construírem" uma célula, átomo por átomo (é só uma hipótese), molécula por molécula. Ao fim da "construção microscópica", a célula estaria pronta. Mas será que ela sairia trocando fluidos com o ambiente e se reproduzindo, instantaneamente? Ao que parece James Watson diria que sim rs, porém acho que é preciso muita fé para crer nessa circunstância hipotética.

Um abraço!!!

20/8/10 17:20  
Blogger raph disse...

Exato Ronauld.

Não podemos dizer que não até que seja feito, mas o ônus da prova cabe aos biólogos nesse caso.

Mesmo a bactéria artificial de Craig Venter foi apenas uma "reprogramação" de uma bactéria já existente. Nada foi criado, e nada "sem vida" foi transformado em algo "com vida":

Vida 1.0 e 2.0

Abs!
raph

20/8/10 21:16  
Anonymous cotrim disse...

Eu sei que não tem nada haver com o tema mais eu encontrei um texto sobre a infantilidade de alguns ateus ecrito por um ateu menbro da UNA.

http://umateudemauhumor.blogspot.com/2009_11_01_archive.html

O que acha disso?

22/8/10 11:10  
Blogger raph disse...

Oi Cotrim,

Bem, infantil ou não (porque certamente muitos ateus não teriam coragem de dizer que Dawkins faz o mesmo), essa militância anti-teísta nada mais é do que o outro lado da moeda da "evangelização" religiosa.

Eu sempre coloco entre aspas porque a Evangelização é apenas a transmissão de boas novas (informação) acerca de Deus ou do Cosmos, e não uma tentativa de conversão (e, as vezes, até lavagem cerebral) de "seguidores da sua opinião ou doutrina".

Infelizmente, no entanto, a maior parte dos que pretendem ser Evangelizadores acabam sendo apenas "evangelizadores" mesmo, entre aspas...

Ou, em outras palavras, quem crê que está no caminho certo, e vislumbra parte da Verdade, bastará que a transmita adiante (seja religão, filosofia ou ciência) e esperar que as sementes germinem em solos aptos. Tentar "converter" os recpetores em que elas não germinaram é inútil, pois cada solo está em sua época.

Recomendo este post que trata sobre o assunto:

http://textosparareflexao.blogspot.com/2010/01/os-dois-lados-da-moeda.html

Abs!
raph

22/8/10 11:27  
Anonymous lucas disse...

O que acha que o Kentaro pensa sobre isso?Que eu me lembre ele faz parte de uma comunidade de tolerancia a religião.

23/8/10 17:26  
Blogger raph disse...

Bem o Kentaro é um dos grandes céticos com certa presença na web. Obviamente não concordamos em muita coisa, mas admiro o trabalho dele no 100nexos e no Ceticismo Aberto (que inclusive está nos "links" do blog desde o início a quase 4 anos).

Agora, a opinião dele especificamente sobre isso, mais fácil perguntar diretamente a ele :)

Abs
raph

23/8/10 18:32  

Postar um comentário

Toda reflexão é bem-vinda:

‹ Voltar a Home

Related Posts with Thumbnails