Pular para conteúdo
5.10.10

Filhos do horizonte

Mexe uma pedra, levanta um galho
E o que vê não é galho nem pedra
Mas luz a refletir pelas coisas criadas
Pois tudo o que há é luz condensada
E luz que se propaga como a cerração da neblina
Guiada por brisas através dos campos infinitos
Cheios de galhos e pedras

E vós, que sois filhos do horizonte
Não devem temer a escuridão nem a morte
Pois a escuridão não há – é ausência de luz
E a morte não há – é apenas a renovação da vida
E além do horizonte, pelas estrelas da noite
Tudo o que há são pérolas a luzir
Sóis que vos criaram como pedras
Moldadas em fornalhas

E a girar pelas estrelas estão ainda outras pedras
Cada pedra, um berço potencial de vida
Cada vida, um berço potencial de luz
E vós, que sois filhos do horizonte
Não devem se inquietar com tal imensidão
Com saber de onde vieram tantas pedras e tantos sóis
Ora, e não parece óbvio?
Vieram do horizonte, como vós...

Para lá anseiam retornar
Algum sentido obscuro em vosso ser vos diz:
“Fomos criados a sua imagem e semelhança”
Mas qual é, afinal, a imagem do infinito?
Seriam todos esses seres que veem pelo caminho
Enquanto rumam ao horizonte?

E qual seria a vossa semelhança, afinal?
Senão a luz a desbravar o Cosmos como estrela cadente
Senão a luz a refletir em pedras e galhos secos
E seres cheios de vida
E a própria vida?

raph'10

***

Crédito da foto: Holger Spiering/Westend61/Corbis

Marcadores: , , , , ,

0 comentários:

Postar um comentário

Toda reflexão é bem-vinda:

‹ Voltar a Home

Related Posts with Thumbnails