Pular para conteúdo
11.5.09

10 razões para ser cristão

Os debates acerca do cristianismo geralmente são um tanto inúteis, pois se resumem a ataques contundentes baseados nos equívocos da igreja, e defesas ardorosas fundamentadas no apego da fé de cada cristão. Em um dos debates no orkut (na comunidade Fé e Razão), um amigo iniciou um tópico chamado "10 motivos para ser cristão?"... Antes que o debate "pegasse fogo", respondi com o que compreendo como as "10 razões para ser cristão", inteiramente baseadas em minhas interpretações do Novo Testamento e de alguns "apócrifos", como o Evangelho de Tomé.

Razão
Observe que preferi usar o termo "razão" ao invés de "motivo" [1]. Acostumamos a interpretar esse termo como uma analogia a racionalidade e inteligência do ser humano, porém em sua origem, no logos grego, ele significava algo a mais (retirado da Wikipedia): "significava inicialmente a palavra escrita ou falada - o Verbo. Mas a partir de filósofos gregos como Heráclito passou a ter um significado mais amplo. Logos passa a ser um conceito filosófico traduzido como razão, tanto como a capacidade de racionalização individual ou como um princípio cósmico da Ordem e da Beleza". Essa interpretação do logos como "uma razão conectada ao Cosmos" atinge seu ápice na filosofia estóica, que infelizmente foi apropriada e deturpada pela igreja cristã.

Falando em igreja, é preciso novamente analisar a origem das palavras, e dissociar os termos "igreja" e "religião":

Igreja
Do gregro ekklesia, foi a palavra escolhida pelos autores da Septuaginta (a tradução grega da Bíblia Hebraica) para traduzir o termo hebraico q(e)hal Yahveh, usado entre os judeus para designar a assembleia geral do "povo do deserto", reunida ao apelo de Moisés. Pode-se também interpretá-la de forma genérica como "a comunidade dos escolhidos por Deus". Esse termo pode ter outras interpretações parecidas, mas dificilmente alguma delas irá abarcar todos os povos da Terra. A igreja é essencialmente a igreja de alguns, e não de todos (no sentido em que não se aplica a todos, mas apenas a quem se converte a ela e aceita seus preceitos e dogmas).

Religião
Do latim re-ligare, significa literalmente "religação", mas é comumente interepretada como "religação aos deuses ou ao Cosmos". Também é associada ao termo em latim religio, usado na Vulgata, que pode ser interpretado como "reverência ao Deus dos deuses", embora aqui o termo já esteja intimamente ligado a uma crença específica. Obviamente o termo original pode ter inúmeras interpretações; Nem todas serão tão parecidas, mas certamente nenhuma delas pretenderá estabelecer o religare como uma crença em específico: aqui todos podem participar do mesmo religare, cada um a sua maneira e sem o intermédio de hierarquias eclesiásticas. Seria então um caminho espiritual, por assim dizer.

Se analisarmos, por exemplo, o Evangelho de Tomé, encontraremos lá um Cristo Sábio, não necessariamente crucificado, não necessdariamente avatar divino, não necessariamente fundador de uma igreja e não necessariamente salvador da humanidade. É principalmente através desse tipo de análise religiosa, e não eclesiástica (ou baseada em alguma teologia dogmática), que cheguei as dez razões:

1- Amar a si mesmo, sem egolatria, mas compreendendo sua própria fagulha divina (logos).

2- Amar ao próximo como ama a si mesmo.

3- Amar a toda a Criação acima de todas as coisas, pois que somos apenas parte dela (amar ao Cosmos ou a Deus).

4- Compreender que nada ocorre ao acaso e que tudo é dado a cada um segundo suas próprias obras.

5- Compreender que na Criação existem muitas moradas e que percebemos apenas uma pequeníssima parte delas.

6- Compreender que somos deuses em formação e que tudo que Cristo fez, faremos também, e muito mais.

7- Compreender que ainda sabemos muito pouco mesmo das coisas terrenas, e quase nada das coisas celestes, e que porisso mesmo a mensagem do Cristo ainda esteve longe de ser completa há 2 mil anos.

8- Compreender que o Consolador prometido pelo Cristo é a Verdade derramada por todas as criaturas da Terra, sem necessidade de um profeta em especial.

9- Compreender que essa vida é apenas parte de um Vida Maior, a qual o Cristo não poderia explicar há 2 mil anos, mas que talvez hoje possamos compreender melhor através da Verdade do Consolador.

10- Seguir o caminho do Cristo, o caminho do meio, de religação a Deus, e nos tornarmos, como ele, unificados com Deus.


Para aqueles que creem em um Livro Infalível, tais conclusões podem ser absurdas. Da mesma forma, para aqueles que apenas se preocupam em atacar as contradições da fé alheia, sem se preocupar em reconhecer seus méritos, toda religião será veneno por antemão, e tais conclusões nada significarão.

Mas felizmente ainda existem os moderados. Aqueles que não creem em dogmas, e que não precisam atacar a crença ou descrença alheia como forma de reafirmação da sua própria crença ou descrença... Esses talvez reconheçam nessas dez razões um "lampejo" do que o cristianismo poderia ter sido, se não fosse apropriado pelo Reino do Padre. Ora, na verdade ainda há tempo para fazer o real cristianismo reflorecer na Terra, dependerá apenas de nós, de todos nós, pois que só entraremos no Reino de Deus de mãos dadas.

***

[1] Na verdade o logos é pessoal (único), no contexto da frase "10 motivos para ser cristão" não faz muito sentido a analogia. Porém achei importante mencionar o significado de logos como parte da fundamentação lógica deste tópico.

***

Crédito da imagem: Wikipedia ("símbolo do peixe", recorrente no início de iconografia cristã)

Marcadores: , , , , , , , ,

8 comentários:

Anonymous lucas disse...

sabe raph,eu sou uma daquelas pessoas que até gostaria de ser cristão,crer que existe um paraiso ou qualquer coisa depois da morte

mas quando estudo a historia humana (diciplina a qual sou especialista)vejo que o cristianismo foi inspirado nas religiões dualistas da mesopotamia,e que dionisio ja transformava agua em vinho bem antes de jesus,muitos ateus dizem que se aceitamos como verdade as historias da biblia tambem deveriamos levar a serio as fabulas gregas e romanas

isso não quer dizer que eu me tornei um inimigo das religiões muito pelo contrario pois se de um lado a historia me fez duvidar dos dogmas do outro me mostrou como a religião foi importante para construir nossa sociedade,sim pois sem ela a europa jamais seria unificada ja que a religião era a unica coisa que os povos dessa epoca tinham em comun

além disso a religião é algo que caracterisa um povo e uma cultura,para finalizar se um dia a religião for banida da terra sera daqui a seculos pois é dificil remover algo que esta aqui des que a sociedade foi formada

15/1/10 00:37  
Blogger raph disse...

Lucas, eu concordo quase plenamente com tudo o que disse.

Se reparar, o "ser cristão" definido neste post é muito mais uma forma de religião (religação a Deus ou ao Cosmos) do que de igreja (comunidade dos escolhidos por Deus), por isso fiz questão de demonstrar o que quis dizer por um e outro termo, visto que hoje em dia a maioria das pessoas mistura os significados (geralmente no sentido de religião ser a mesma coisa que igreja, o que não é).

Abs
raph

15/1/10 16:12  
Anonymous Anônimo disse...

que mandamentos mais hereticos!

caminho do meio? oi?

essa aí é sua "religião" pessoal e pouco tem a ver com cristo, é um amálgama de doutrinas.

troque "cristo" por "buda" ou algum outro guru que o sentido do texto não se altera.

Bom lembrar que a fonte dos 10 mandamentos de moises é egípcia.

20/2/13 20:42  
Blogger raph disse...

Confesso que uma das melhores coisas de se ter um blog é poder me divertir com alguns comentários anônimos que aparecem :)

21/2/13 12:07  
Anonymous Anônimo disse...

que bom que riu :D

mas me conte, dentro de qual egrégora cristã você foi capaz de chegar a essas conclusões? qual adota o evangelho de tomé?

não vejo contribuição cristã pra evolução humana, exceto por um consolo fast-food, a religião das ovelhas só ensina isso mesmo - a suprimir a vontade, tolher o individuo, a ser cordeiro, especialidade da culinária asiatica.

22/2/13 07:15  
Anonymous Anônimo disse...

Como se dá essa separação entre igreja e religião? Pra mim ser "cristão" pressupõe uma prática religiosa ligada a uma determinada egrégora, o proprio nome "cristo" remete a um ritual.

Chuta aí um percentual de cristãos que conhecem os apócrifos, que estudam o cristianismo primitivo.
Rosacruz? aí estamos falando de uma elite, um círculo restrito que também se apóia em fontes pré-cristãs. Eu não chamaria de cristianismo algo que o ultrapassa.

22/2/13 07:51  
Blogger raph disse...

Cada um rotula como quer.

Por isso que digo: minha religião é meu pensamento.

22/2/13 12:29  
Anonymous Anônimo disse...

pois então! foi o que eu disse, é pessoal hehe

Também tenho o Evangelho de Tomé e é uma pena que seja pouco conhecido.

Não te conheço e não sei das suas experiências com essa egrégora, mas pra mim mais me afastou de deus que que aproximou, e sou bastante grato aos que me ajudaram a voltar ao caminho (que inclusive foram perseguidos por cristãos).

reconheço que é um pouco de birra, mas sei que eu não fui o único prejudicado, e que outros ainda são.

Entendo que há muitas interpretações pra "cristão", mas essa sua certamente não é a mais popular. Para os "mortais", é um seguidor de jesus, católico, protestante ou ortodoxo.

Minha primeira mensagem foi piada, não leve a mal :D meu ponto era que esse pensamento é repudiado exatamente pelos que se denominam cristãos.

Também acredito que muitos adotam algum sincretismo por acomodação, a pessoa não se sente satisfeita com a igreja e procura uma seita que tenha jesus, de forma que não precise questionar certos conceitos. enfim, só muda de fast-food. Sei que não é seu caso, mas é comum.

E o cristianismo anda numa crise braba, se tiver alguma esperança, deverá começar pela autocrítica.

24/2/13 21:24  

Postar um comentário

Toda reflexão é bem-vinda:

‹ Voltar a Home

Related Posts with Thumbnails